Terminar uma relação: difícil??

O amor é o melhor dos vícios: algo do qual queremos mais, e sempre, e pelo qual fazemos tudo o que for preciso

Dizem por aí que o amor nos cega. Para a neurociência, isso tem um fundo de verdade: algumas regiões do cérebro responsáveis por julgamentos sociais -se uma pessoa é confiável ou não, por exemplo- ficam menos ativas quando contemplamos o objeto da nossa paixão, seja filho ou namorado.

Talvez por isso eles costumem parecer mais bacanas aos nossos olhos do que aos dos outros.

Pensando bem, se todos temos defeitos, quantos casais não deixariam de se formar sem a ajuda de uma cegueirazinha mútua para pequenos problemas?

A cegueira social amorosa pode até explicar por que, quando as coisas vão mal, quem não está envolvido consegue enxergar razões suficientes para terminar um relacionamento mais facilmente do que as partes interessadas: o cara é um crápula, o ciúme dela é doentio, ele não pára em casa, ela gosta de outro.

No entanto, mesmo quando a cegueira passa e temos consciência de querermos alguém que nos maltrata, despreza, ignora e às vezes até rejeita, a primeira reação do cérebro pode ser… insistir mais ainda em reconquistar o amor da pessoa em questão.

Os amigos, cujo cérebro não sofreu as influências do(a) Fulano(a), repetem que ficamos melhor sem ele(a). Sabemos disso, mas… Por que pode ser tão difícil dizer “basta” a um relacionamento ruim? Masoquismo? Culpa? Carma?

De certa forma, vício. O amor de uma pessoa é talvez o melhor dos vícios: algo do qual queremos mais, e sempre, e pelo qual fazemos tudo o que for preciso.

Ele estimula o sistema de recompensa do cérebro, que nos traz prazer, bem-estar e felicidade -e nos faz querer mais de tudo isso com aquela pessoa. A expectativa do prazer de estar com ela é motivação suficiente para a procurarmos.

O problema é que, curiosamente, quando o que causou prazer no passado deixa de funcionar, ou só funciona às vezes, o sistema de recompensa responde durante algum tempo a essas lembranças com uma ativação ainda maior, que motiva o cérebro a insistir quase obsessivamente no assunto até recobrar o bem-estar de antes.

É exatamente o que nos faz apertar dezenas de vezes seguidas, e cada vez mais desesperadamente, o botão do controle remoto cuja pilha acabou. Você vê que não funciona mais -mas e se, graças à sorte ou ao seu charme, voltar a funcionar?

Se voltar, ótimo – ou não, porque, se a calmaria for apenas temporária, logo começa tudo de novo. E se não voltar, a receita da reabilitação é uma só: tempo, abstinência e outros prazeres.

Anúncios

4 responses to this post.

  1. Posted by Tania Burock on 30/12/2010 at 1:27 PM

    Você esqueceu de dizer, que quando acaba esse amor-vicio, você chuta o balde sem pena e sem dó, isso não dura a vida toda.

    Responder

    • É verdade, Tania. Quando nos livramos do vício, percebemos o quanto foi corrosivo nosso envolvimento.Entretanto, chutar o balde pode levar um tempo mais do que saudável em nossa existencia.
      Obrigada por sua visita. Abraços.

      Responder

  2. Posted by Fátima on 01/01/2011 at 7:02 PM

    Realmente o amor é um dos maiores vícios do ser humano. O dia que as pessoas conseguirem dominar esse vício, talvez consigam entender o que é o amor verdadeiro, aquele que nos alerta e amociona interiormente,sem pedir nada em troca, sem machucar, sem ofender.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: