Posts Tagged ‘amor’

Amor, paixão, casamento: é possível sentir-se encantado pela mesma pessoa por décadas?

Você já se imaginou vivendo 10, 20 ou 50 anos com a mesma pessoa? Sentindo sempre o mesmo prazer em sua companhia, o mesmo conforto em seus braços? Se a perspectiva parece interessante, agradeça ao seu cérebro (e se não lhe agrada, a culpa é dele, também). De certa forma, é curioso que laços afetivos fortes, como os amorosos, sejam tão importantes para nossa espécie. Tecnicamente, viver em sociedade, ou mesmo em pares, não é obrigatório para a sobrevivência de nenhum animal – vide tantos mamíferos, aves e outros bichos que procuram um par somente para o acasalamento e imediatamente depois seguem cada um o seu caminho.

Se gostamos de formar pares a ponto de investir boa parte de nossa energia, tempo e esforços cognitivos em convencer um belo exemplar do sexo interessante de que nós somos a pessoa mais sensacional e desejável na face da Terra, é porque o sistema cerebral humano, como o de outros animais sociais, é capaz de atribuir um valor positivo incrível à companhia alheia. Isso é função do sistema de recompensa, conjunto de estruturas no centro do cérebro especializadas em detectar quando algo interessante acontece, premiar-nos com uma sensação física inconfundível de prazer e satisfação e ainda associar esse prazer com o que levou a ele – o que pode ser uma ação, uma situação, um objeto ou… alguém.

Conforme o prazer se repete na companhia dessa pessoa, o valor positivo que atribuímos a ela é reforçado (enquanto torcemos para que o mesmo aconteça no cérebro dela, associando um valor cada vez mais positivo à nossa própria companhia, claro). É o que fazemos no período de namoro, quando conversas interessantes, passeios agradáveis, boa música, boa comida e carinho oferecem prazeres que vão sendo associados à companhia do outro. Se rola sexo, então, melhor ainda: o prazer do orgasmo funciona como uma cola extraordinária para o sistema de recompensa, que atribui (corretamente!) a satisfação incrível àquela pessoa específica (mas é verdade que isso não funciona tão bem em alguns cérebros…).

Com a repetição, o sistema de recompensa vai aprendendo a ficar ativado não apenas em resposta, mas também em antecipação à presença daquela pessoa. Esse prazer antecipado é a motivação, que nos dá forças para alterar compromissos, abrir espaço na agenda e ficar acordado madrugada adentro. Essa é a paixão, estado de motivação enorme em que se faz tudo em nome de mais tempo na presença do ser amado.

Quando vira amor? Essa questão é complicada, mas existe ao menos uma definição operacional curiosa: passado o ardor da paixão, descobre-se que se ama alguém quando pensar em uma vida sem ela causa angústia sincera e profunda. O amor é esse laço que faz seu cérebro achar que sua felicidade está vinculada à presença e à felicidade do outro e que fazê-lo feliz dá novo sentido à sua vida. Nesse estado, desejar o casamento é apenas natural.

Se é para sempre? Depende de vários fatores, alguns deles fora de nosso alcance, como ser traído (e não apenas sexualmente). A boa notícia da neurociência sobre a longevidade dos relacionamentos amorosos é que eles não estão necessariamente fadados ao esgotamento: é, sim, possível se sentir apaixonado décadas a fio pela mesma pessoa. E não é mero acaso de sorte: você pode fazer sua parte. É uma questão de continuar inventando e descobrindo novos prazeres a dois. Tudo para manter o sistema de recompensa do outro interessado em você…

Quer saber se ele te ama???

Encontrei esse texto no site ” http://www.cabecadehomem.com.br”

Homens dizem na lata: “Eu gosto muito de vc!”. O que vcs fazem que podem nos levar a crer nisso?

Certamente, coisas bem diferentes do que as mulheres fazem. Homens e mulheres expressam o amor (de qualquer tipo e nível) de formas bem diferentes. Enquanto a mulher verbaliza e declara um amor romântico, o homem demonstra esse sentimento através de suas ações. Você precisa aprender a enxergar essas ações e sentir o carinho que elas representam.

Quando o homem gosta de uma mulher, seu instinto natural, aquele que vem muitas vezes sem que sejamos capazes de perceber, é protegê-la. Ele passa, intintivamente, a agir como provedor. Esse é o papel do macho no reino animal e do homem desde a pré-história. Calma. Não sou machista e não acho que o homem deve bancar tudo enquanto a mulher “administra” o lar. Como disse, esse é um processo muito mais instintivo que consciente. Os conceitos de “proteção” e “provisão” ganham um sentido muito mais amplo quando os trazemos para os nossos dias. Afinal, ele não precisa mais caçar para você e seus filhos comerem, nem matar um leão que quer lhe devorar! Essas ações podem ser observadas em sutilizas, como:

  • Te levar pra jantar e pagar a conta (é, ou não é, provisão?)
  • Te levar a algum lugar quando está tarde pra você não ir sozinha (proteção)
  • Comprar presentinhos sem motivo, em geral comida, bombons, doces (provisão)
  • Tentar solucionar os seus problemas (mesmo quando tudo que você queria era colo) (proteção)
  • E por aí vai…

Há muitas outras ações, pequenas e grandes, que demonstram o amor de um homem. Algumas estão relacionadas à necessidade de manter a imagem de “parceiro ideal”:

  • Ele é fiel (vocês não fazem idéia de como isso é difícil às vezes)
  • Cuida mais da aparência (faz a barba, usa perfume, etc)
  • Ele muda a rotina pra passar mais tempo com você
  • Troca a balada de sexta por programas edredom-filme-pipoca
  • Não reclama de assistir novela
  • Apaga os bookmarks (e os cadastros) de sites pornô do computador
  • E muitos outros

Mas há motivos para os homens serem assim. Os homens são cobrados desde muito jovens a se tornarem homens. Separam-se da mãe, para não serem como elas e antagonizam os comportamentos considerados femininos. Não devem demonstrar seus sentimentos, medos e fraquezas. A masculinidade é definida pela separação e, por isso, ameaçada pela intimidade. Demonstrar o sentimento através das ações é, na verdade, a única saída ao homem que não pode fazê-lo através de palavras. O reforço verbal a essas “regras” é muito forte. Frases como: “Homem não chora”, “isso é coisa de veado”, “parece uma mulherzinha”, etc, são repetidas constantemente desde a infância.

Fica difícil, depois de tanto treinamento, adestramento ou castração emocional, querer que o homem evolua e expresse com facilidade suas emoções. Então, antes de entrar em paranóia achando que seu namorado não tá nem aí pra você, observe como ele a trata! Ele cuida de você? Está lá quando você precisa dele? Tenta sempre lhe ajudar? Tenta lhe proteger de perigos físicos e emocionais?

Se sim, ele te ama.

Te ajudei?